Ivinhema - MS, terça-feira, 22 de agosto de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 06/03/2017 às 14h30

Para tirar lixo de córrego, prefeitura  faz poda radical em árvores

Ação da prefeitura divide opiniões entre moradores do bairro


- Correio do Estado

Foto: Álvaro Rezende/ Correio do Estado

Árvores foram cortadas na beira do córrego Anhanduí

Árvores cortadas ou podadas radicalmente nas margens do córrego Anhanduí, na Avenida Ernesto Geisel, fizeram com que o cenário da região do bairro Aero Rancho mudasse nos últimos dias. Apesar da prefeitura justificar que fez o trabalho para retirar lixo do córrego, a ação divide opinião de moradores. 

 

O aposentado Castor Melgarejo, de 70 anos, informou estar revoltado com a situação. Ele conta ter plantado várias árvores na beira do córrego para melhorar a paisagem, refrescar o clima  e para preservar o meio ambiente. De acordo com o aposentado, além das árvores, até pés de mandioca foram retirados.

 

“Tenho uma árvore na calçada, se eu quiser arrancá-la tenho que ir em vários órgãos para pedir autorização e, se caso cortar sem autorização legal, sou multado. Mas a prefeitura pode arrancar as árvores sem mais nem menos. Eles não plantam, para que querem tirar”, questiona o aposentado.

 

Por outro lado, a moradora Fátima Tenório, de 52 anos, que mora próximo do local, afirma estar satisfeita com o trabalho da prefeitura. Para ela, sem as árvores fica mais fácil de caminhar à noite pelo bairro por questão de segurança.

 

“De noite vários usuários de drogas ficavam em baixo dessas árvores e no escuro era perigoso passar por ali, sem essas árvores fica mais fácil de passar pela rua”, afirma.

 

A dona de casa Nelma de Cássia Borges de 43 anos também preza pela segurança mas não vê a necessidade de tirar as árvores. “Realmente temos que andar à noite e é perigoso, mas é necessário fazer a limpeza constante do mato, as árvores não vejo necessidade de tirá-las”, conta.

 

A assessoria de imprensa da prefeitura informou à reportagem que foram feitas podas radicais em árvores da espécie leucena, considerada invasora e que serve de alimentação de gado, para retirar lixo do córrego. Poda também foi feita em vegetação com o mesmo fim, segundo a prefeitura.

 

Ainda conforme o município, novas árvores serão plantadas nas margens do rio.