Ivinhema - MS, segunda-feira, 26 de junho de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 24/05/2017 às 13h24

Eldorado Celulose nasceu em Três Lagoas sob corrupção

Ex-executivo da JBS relatou propina para expansão da empresa


- Correio do Estado

Foto: Divulgação

Fábrica de celulose Eldorado, que pertence ao grupo J&F, comandado pelos irmãos Joesley e Wesley Batisata

Fabricante de celulose de eucalipto do grupo JBS, a Eldorado Brasil Celulose ganhou musculatura no início desta década sob o esquema de corrupção revelado pelos irmãos Joesley e Wesley Batista e viabilizou-se na esteira das relações heterodoxas da controladora J&F com representantes do governo e de fundos de pensão.

 

Em delação premiada, Joesley admitiu que houve propina para facilitar os financiamentos à companhia, pagamento de mesada a um procurador da República para receber informações sigilosas de uma das três operações do Ministério Público Federal (MPF) que a envolveram e intervenção de autoridades em favor de interesses da empresa.

 

Segundo o ex-diretor de relações institucionais da J&F Ricardo Saud só o então senador Delcídio do Amaral (PT), hoje cassado e sem partido, teria mensalinho de R$ 500 mil por dez meses para defender os interesses da Eldorado.

 

Com investimentos de R$ 6,2 bilhões, a Eldorado deu início à produção na fábrica de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul no fim de 2012. À época, era a maior linha única de celulose do mundo. Hoje, ainda é uma das mais modernas.