Ivinhema - MS, terça-feira, 12 de dezembro de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 30/05/2017 às 14h46

Empresário que denunciou propina gravou De Paula mandando 'procurar' Polaco

Áudio flagra ex-chefe da Casa Civil de Reinaldo mandando 'não falar por telefone'


- Midiamax

Sérgio de Paula (PSDB), ex-chefe da Casa Civil da gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB), foi gravado pelo empresário José Alberto Berger, que denunciou suposto esquema de extorsão para cobrança de propina em troca de benefícios fiscais no governo de Mato Grosso do Sul, dando um 'toque' para que 'Polaco', José Ricardo Guitti, fosse procurado na tentativa de recuperar concessões do governo.

 

No áudio, Sérgio é flagrado dando um 'toque', como ele mesmo define, para que o empresário converse com 'Polaco', que foi gravado recebendo R$ 30 mil reais em espécie.

 

A gravação complica a versão de De Paula apresentada à Rede Globo, que exibiu no último domingo (28) reportagem denunciando o suposto esquema que envolve a cúpula do Governo Estadual tucano e a Sefaz-MS (Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso do Sul), de que não indicou ou autorizou qualquer contato do empresário com 'Polaco'.

 

No entanto, José Ricardo Guitti, o 'Polaco', admitiu as conversas alegadas pelo empresário, em um boletim de ocorrência que foi registrado no Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a assaltos e Sequetros), ainda em janeiro deste ano, quando confessou que intermediou uma reunião de Berger com servidores da Sefaz.

 

A nova gravação apresentada por Berger com exclusividade ao Jornal Midiamax flagra uma conversa com o então secretário da Casa Civil, em novembro do ano passado, na qual, segundo ele, Sérgio de Paula orienta o empresário a procurar Polaco, um pessoa que teria um bom trânsito com interlocutores do governo.

 

Segundo Berger, ele tentava resolver o cancelamento de uma autorização para operar em MS, quando teria sido 'extorquido' para conseguir resolver a pendência burocrática da empresa. O empresário acusa De Paula de participar ativamente do suposto esquema e diz que chegou a pagar R$ 500 mil em dinheiro vivo para o grupo.

 

Após os pagamentos a integrantes do governo, a situação fiscal da empresa foi resolvida, mas a extorsão, diz Berger, permaneceu. Ele pontua que resolveu preparar os flagrantes ao perceber que os supostos achaques continuariam, Esta conversa com de Paula teria sido gravada em novembro do ano passado.

 

"Deixa eu te falar, Sérgio. Protege 'nós', Sérgio", pede Berger ao então chefe da Casa Civil de Reinaldo Azambuja. "Põe o 'Polaco' no circuito", orienta De Paula.

 

Quando o empresário pergunta o motivo para colocar um terceiro na conversa, Sérgio responde tentando disfarçar do que falava: "Porque sim. Se tava [...] Você... Tal, tal, tal... põe o 'Polaco' no circuito. Ué..."

 

O empresário, segundo ele, ainda tenta tirar de Sérgio uma declaração mais explícita sobre a propina, mas o então homem forte do governo tucano se esquiva:

 

Em que sentido?

 

'Ué'... 'Polaco', me ajuda nesse negócio aí. O Polaco conversa bem com esse povo, aí. Vai por mim! Eu... eu dou toque. Tá? Não estou pedindo pra você fazer isso, tô dando um toque pra você.

 

E o caráter ilícito da conversa sugerida pelo 'toque' fica implícito na sequência: "Agora, chama o cara pessoalmente. Não vai falar isso por telefone!", ensina De Paula.

 

O então chefe da Casa Civil ainda 'valoriza' o assunto a ser resolvido. "Mas vem cá? Um assunto tão simples desse?", questiona o empresário, quando é abruptamente interrompido por De Paula: "Não é simples! Zé Alberto, se fosse simples, você tava aqui?"

 

Na sequência, uma gargalhada e Sérgio volta à orientação original: "O 'Polaco' conversa com esse cara 24 horas. Deixa eu sentir, eu vou passar ali e entregar isso aqui pra ele, só pra ele sentir", diz.

 

A conversa ainda inclui a confissão de que o assunto seria tratado de forma não oficial: "Deixa o 'Polaco' trabalhar isso nos bastidores: 'Polaco', me ajuda num negócio aí. Cê fala só isso pra ele", ensina De Paula ao empresário que denunciou o suposto esquema de propina.

 

Na reportagem do Fantástico, vídeo gravado na sala do empresário, mostra a entrega de dinheiro a Polaco. O dono da Braz Peli, cuja fábrica fica no Núcleo Industrial, em Campo Grande, disse ter gravado o vídeo em questão por ter se decepcionado com o modelo imposto a ele de conquistar o que chamou de direito, o benefício fiscal.

 

A extorsão custou ao empresário, segundo ele, em torno de R$ 500 mil. Ainda assim, a Braz Peli perdeu o benefício, garantia devolvida por força de uma liminar, decisão judicial provisória.

 

A gravaçao apresenta três pessoas falando, sendo que um dos interlocutores teve os áudios suprimidos a pedido de Berger. As intervenções foram sobrepostas com um 'bipe' e não interferem no contexto, mas estão disponíveis na cópia que a reportagem recebeu. No início da conversa é possível ver Sérgio marcando, ao telefone, de visitar uma pessoa, que segundo o empresário seria o próprio 'Polaco'.

 

A exoneração de Sérgio de Paula aconteceu em fevereiro deste ano, como principal medida da reforma administrativa da gestão Azambuja, mas ela já era ventilada nos bastidores desde o ínicio de 2017, quando o ex-articulador político do governo se tornou alvo de rumores de um suposto esquema de propina, denúncia que se tornou pública agora.

 

O Jornal Midiamax tentou contato direto por telefone com o ex-secretário e ex-homem forte do governo tucano, de Paula, e ainda no PSDB e junto ao Governo, mas não obteve respostas até a publicação da matéria.

 

Confira o áudio na íntegra: