Ivinhema - MS, quarta-feira, 22 de novembro de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 14/08/2017 às 15h00

VÍDEO: Sem conseguir remédio em UPA, mulher é atendida pelo prefeito em terminal de ônibus

Ele a acompanhou até Centro de Especialidades Médicas


- Midiamax

Foto: Midiamax

Prefeito Marquinhos Trad

 

Dona de casa Ednice Almeida Costa, 59 anos, aproveitou a presença do prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), no Terminal Bandeirantes para cobrá-lo. O chefe do Executivo estava no local para lançamento de campanha contra abuso sexual às mulheres no transporte público e foi abordado pela cidadã que retornava da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Vila Almeida sem medicamento que precisava.

 

Na unidade ela foi atendida e orientada a buscar os remédios no CEM (Centro de Especialidades Médicas), quando estava a caminho encontrou o prefeito no terminal. Ednice o cobrou não só pela medicação, mas também pela situação em que se encontra a rua que mora, no residencial Flores, se queixou da falta de asfalto e da precariedade na iluminação pública.

 

“O senhor e sua equipe já tomaram café na minha casa. Tenho santinho guardado até hoje e acho que o senhor tem que ver pessoalmente a situação”, disse referindo-se ao lugar que mora.

 

Marquinhos a levou em seu carro até o centro médico, foi até a farmácia com a paciente que conseguiu os remédios em falta no Vila Almeida. De lá o prefeito seguiu para casa de Ednice.

 

O Executivo tem consciência de que alguns medicamentos estão em falta na rede pública e promete normalizar estoque até novembro deste ano. Pelo menos é o que garantiu o coordenador geral de urgência, Yama Higa.

 

Ele explicou as licitações deixadas pela gestão passada estavam com problemas. Por isso, teve que refazer todos os processos, fato que acarretou na demora no abastecimento do estoque. Hoje, porém, os remédios de uso contínuo estão chegando.

 

Outro problema enfrentado é o atraso na entrega por parte as indústrias. Algumas situações já foram judicializadas para dar celeridade. “Mas até novembro está tudo normalizado”, disse. As licitações desta administração já foram feitas para que não haja mais demora quando as atuais chegarem ao fim. Veja o vídeo aqui.