Ivinhema - MS, terça-feira, 21 de novembro de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 04/09/2017 às 13h15

NOVA ANDRADINA: Após vídeos circularem no 'zap zap', Força Tática localiza menor com arma de fogo

Ação aconteceu na cidade de Batayporã na noite desse domingo


- jORNAL DA NOVA

Foto: Jornal da Nova

Arma de fogo localizada na residência do adolescente que aparece nos vídeos

 

Um adolescente de 16 anos, foi apreendido na noite deste domingo (3), com uma espingarda, após vídeos dele manuseando e disparando a arma, terem circulado no WhatsApp e cair nas mãos dos policiais militares da Força Tática, em Nova Andradina. Apreensão ocorreu na rua Dos Lírios, bairro Nídio Boffo, em Batayporã.

 

Conforme dados policiais, circula pelas redes sociais dois menores efetuando disparos de arma de fogo nos fundos de uma residência localizada em um perímetro urbano, sendo um dos menores conhecido no meio policial pela prática de delitos na cidade de Batayporã.

 

Após análise dos vídeos, equipe da Força Tática entrou em contato com a Polícia Militar de Batayporã, sendo informado que em datas anteriores receberam ligações através do 190, onde populares reclamavam de tiros nas proximidades do Ginásio de Esportes, Enesto Magni Fruguli.

 

Os policiais saíram de Nova Andradina rumo a Batayporã e após diligências localizaram o imóvel onde os jovens haviam realizado os disparos. Na residência saiu o pai do menor de 16 anos, que confirmou que o filho residia no local.

 

Depois de mostrar os vídeos ao pai, de 45 anos, ele liberou a entrada dos policiais na residência e no quarto do menor, foi localizada uma espingarda de pressão adaptada para calibre 22 e uma luneta tipo sniper acoplada na arma, a mesma que estava nos vídeos.

 

O menor não estava no imóvel, mas o genitor foi em sua busca e posteriormente encaminhou a Delegacia de Polícia Civil de Batayporã.

 

Aos policiais o menor infrator isentou seus pais, dizendo que eles não sabiam de nada e que os disparos foram efetuados quando eles estavam trabalhando. Assumiu ter adquirido o equipamento sem anuência deles. Pais confirmaram que não sabiam de nada.

 

Após lavratura da ocorrência, o menor foi entregue a autoridade policial, onde tomou as devidas providências.