Ivinhema - MS, sexta-feira, 17 de novembro de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 18/10/2017 às 08h22

O Pensamento de Bourdieu

Artigo da acadêmica Tayná Clara Batista Rios


- Tayná Clara Batista Rios

Pierre Bourdieu vê a ideologia no campo marxista como uma filosofia cartesiana, e que tem com sua ramificação interpretativa perde seu sentido e/ou este não é recuperado de forma inteira ou original, sendo este termo substituído por doxa (a condição, uma subconsciência ou aceitação do que não se sabe).

 

Nessa explicação temos o presente, e  em outros nos é colocado a violência simbólica que esta na linguagem seria o que nos atinge sem percebermos, uma presença constante em toda a parte e ao mesmo tempo invisível, nos dando a  impressão de felicidade com a dependência á ignorância que a emancipação desta torna-se desnecessária ou inviável ao próprio individuo.

 

O sociólogo é visto por alguns como pessimista, pela exposição de uma verdade que torna a vida seu conhecedor sem fantasias como as habituais, este pode se apresentar como realista, mas a interpelação entre verdade e realidade se faz desigual na visão de outros teóricos.

 

Suas pesquisas são feitas usando todos os componentes formadores, e inclusive o produto final e o que por este foi eliminado em virtude da produção.

 

As relações conflituosas entre saberes práticos e a forma muitas vezes excludente com que se expõe a fala teórica, ou seja, fazendo com que o teórico estude o pobre sem ser pobre e então sem ter noção da mentalidade interior do outro estando sempre restringido ao outro, o que só se oporia mediante vivência da situação.

 

Fonte:

Bourdieu, Pierre; EAGLETON, Terry. A doxa e a vida cotidiana; uma entrevista