Ivinhema - MS, terça-feira, 21 de novembro de 2017

10º min
26º min



Publicado em: 18/10/2017 às 09h58

Com ajuda dos três senadores de MS, Senado derruba decisão do STF e devolve mandato a Aécio Neves

Votação foi por 44 não e 26 sim, três a mais do que o necessário


Topmidianews

Foto: Divulgação

Senadores por MS absolveram Aécio Neves

Com a ajuda dos três senadores por Mato Grosso do Sul, Waldemir Moka (PMDB), Simone Tebet (PMDB) e Pedro Chaves (PSC), o Senado Federal derrubou decisão do STF, derrubou as medidas cautelares e devolveu o mandato a Aécio Neves (PSDB). A maioria dos discursos defendeu a soberania da Casa de Leis e não a situação do político mineiro em si.

 

Com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS, Aécio foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa.

 

Segundo a PGR, o tucano pediu e recebeu R$ 2 milhões da JBS como propina. A procuradoria afirma também que Aécio atuou em conjunto com o presidente Michel Temer para impedir o andamento da Lava Jato.

 

Desde o início das investigações, Aécio tem negado as acusações, afirmando ser "vítima de armação".

 

A sessão do Senado

 

A sessão para decidir sobre o afastamento de Aécio começou por volta das 17h e, ao todo, a discussão sobre o assunto durou cerca de três horas.


PMDB, PSDB, PP, PR, PRB, PROS e PTC orientaram os senadores das respectivas bancadas a votar "não", ou seja, contra o afastamento.

 

Já PT, PSB, Pode, PDT, PSC e Rede orientaram voto a favor da decisão da Turma do Supremo. DEM e PSD liberaram os senadores a votar como quisessem.

 

Crise institucional

 

A decisão da Primeira Turma do STF resultou em uma crise institucional entre os poderes Legislativo e Judiciário.

 

Diante da decisão do Senado de colocar em votação a ordem de afastamento, o plenário do STF decidiu na semana passada que cabe ao Congresso Nacional a palavra final Sobre afastamento de parlamentares.

 

O formato da votação, porém, gerou polêmica e foi alvo de ação judicial. Aliados de Aécio queriam que os votos fossem secretos, mas o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou votação aberta e nominal, na qual os votos de cada parlamentar são tornados públicos.

 

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira (PMDB-CE), contudo, chegou a dizer que já havia decidido pela votação aberta antes mesmo da decisão de Alexandre de Moraes.

 

Para garantir o quórum necessário para a votação, senadores que estavam de licença médica, como Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Paulo Bauer (PSDB-SC), decidiram ir ao Congresso para votar.