Ivinhema - MS, quarta-feira, 23 de maio de 2018

10º min
26º min



Publicado em: 21/02/2018 às 13h58

FÁTIMA DO SUL: Bombeiros de Ivinhema encontram corpo de mulher desaparecida há 10 dias


FÁTIMA NEWS

Foto: Deodápolis News

O Corpo de Bombeiros encontrou nesta terça-feira (21), o corpo de Débora Dias dos Santos, de 32 anos, que está desaparecida desde a noite da última terça-feira (13), em Fátima do Sul. O Corpo de Débora foi encontrado 10 dias após o seu desaparecimento e estava enroscado em uma galhada às margens do Rio Dourados.

 

Segundo informações do site Fátima News, na sexta-feira (16), um grupo de pessoas que passavam pela ponte na rodovia MS-276, sobre o Rio Dourados, chegaram a avistar algo parecido a um corpo boiando no rio.

 

Desde então, o Corpo de Bombeiros de Fátima do Sul e Ivinhema, passaram a fazer buscas e percorreram o trecho entre a ponte de concreto até a ponte de madeira na rodovia MS-274 (distrito de Porto Vilma, cidade de Deodápolis).

 

Os delegados da Polícia Civil de Fátima do Sul e Deodápolis foram informados sobre a ocorrência e a, partir de agora, serão iniciados os trabalhos de perícia da Polícia Judiciária.

 

O caso

 

Débora foi vista pela última vez, pelo marido quando chegavam na casa do casal, em Fátima do Sul, por volta das 23h30, na terça-feira (16). A família desde então buscava pelo paradeiro dela.

 

Conforme o boletim de ocorrência registrado pelo esposo, ambos chegaram em casa na caminhonete da família e Débora teria se recusado a entrar na casa, afirmando que queria voltar para a rua. Cansado, o marido afirmou que não queria sair novamente e começou a fechar os vidros do veículo.

 

Neste momento, Débora desceu, deu um soco no vidro do automóvel e saiu em direção à rua, não sendo mais vista. Desde de então a família está desesperada por notícias.

 

O marido disse à polícia que só viu pelo retrovisor ela virando a esquina. Depois disso, sumiu. Parentes chegaram a procurar pela mulher em toda a cidade e até rios na região.

 

"Ela sempre foi uma pessoa centrada, mulher de família, tem duas filhas e nunca iria largar elas e ir embora. Ela não é depressiva e não tem problemas mentais. Ninguém sabe o que aconteceu", disse Lucilene Moraes Silva, de 35 anos, prima de Débora.

 

Débora foi vista pela última vez usando chinelos, shorts jeans e blusa preta. Ela não levou celular e nem qualquer quantia em dinheiro. O aparelho celular de Débora foi recolhido para que possíveis informações sejam apuradas pela polícia.