Ivinhema - MS, terça-feira, 19 de junho de 2018

10º min
26º min



Publicado em: 08/03/2018 às 16h26

Frigorífico de peixe consome R$ 1 milhão em verba pública e apodrece no mato

Obra começou em 2009, prédios foram construídos, mas unidade projetada para atender piscicultores da região nunca funcionou


94Fm Dourados

Foto: Eliel Oliveira

A obra inacabada do frigorífico de peixe projetado para atender 700 piscicultores da região sul de Mato Grosso do Sul está apodrecendo no tempo em meio ao matagal, na margem da BR-163, em Dourados.

 

Iniciada em 2009 na administração do então prefeito Ari Artuzi (morto em 2013), que acabou preso e renunciou um ano depois, e bancada com recurso obtido pelo então senador Delcídio Amaral – cassado em 2016 após ser preso acusado de obstruir a Operação Lava Jato – a construção consumiu R$ 1 milhão em dinheiro público.

 

Localizada na no trevo das BR-163 com a MS-376, na saída para a Capital, a obra parou ainda na gestão de Artuzi e nunca mais foi retomada. Seriam necessários pelo menos R$ 7 milhões para concluir a estrutura e comprar equipamentos. O que seria a câmara fria está depredada, portas foram arrombadas, peças furtadas e o forro está apodrecendo.

 

No ano passado, o então secretário municipal de Economia Solidária Landmark Ferreira Rios, que ocupou a mesma pasta na gestão de Murilo Zauith (2011-2016), disse que a conclusão do frigorífico é prioridade para a prefeita Délia Razuk (PR), mas a obra continua abandonada. No mês passado, Landmark deixou a pasta e assumiu a Secretaria de Assistência Social.

 

A prefeitura alega que o município cumpriu todas as exigências para a instalação do frigorífico, mas o governo federal não repassou os recursos da segunda etapa. Se funcionasse, o frigorífico teria capacidade para cinco mil toneladas por dia, suficiente para receber a produção 40 municípios do entorno de Dourados.

 

Em janeiro deste ano, em reunião com Délia Razuk, o coordenador de Pesca e Aquicultura do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), César Moura, disse que a pasta federal faria “algumas tratativas” sobre o frigorífico do peixe e prometeu que a estrutura será resgatada. Segundo ele, o Mapa prepara chamada pública para a utilização do espaço inacabado.