Ivinhema - MS, segunda-feira, 18 de junho de 2018

10º min
26º min



Publicado em: 01/06/2018 às 14h02

DEODÁPOLIS: Fila de pessoas com galões chama atenção em posto de combustível


DEODAPOLISNEWS

Foto: DEODAPOLISNEWS

Fila de pessoas com galões chama atenção em posto de combustível

Apesar do fim da greve dos caminhoneiros, lentamente estão sendo repostos os combustíveis e outros produtos no município de Deodápolis.

 

Conforme apurou o Site Deodapolisnews, com a falta de combustível em diversos postos, motoristas precisam enfrentar longas filas para conseguir abastecer seus veículos, em um dos postos do município na manhã desta sexta-feira (01), o que mais chamou a atenção não foi a gigantesca fila de carros que ser formou nas proximidades, mas, sim, a aglomeração de pessoas com galões em busca de um pouco de combustível.



A reportagem foi no local, mas os responsáveis pelo posto não quis dar muitas informações e apenas relatou que o combustível que tem no tanque não dará para atender todos que estão nas filas.

 

PODE ABASTECER EM GALÕES?

 

Mas essa prática é permitida? Ou proibida? Há regras definindo como e com qual tipo de vasilha é possível comprar combustíveis em postos? A resposta não é simples, e há uma confusão normativa sobre o tema, que não define restrições, permitindo na prática o uso de galões e outros recipientes na compra de combustíveis sem parâmetros claros.

 

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) aprovou, em 2013, a Resolução 41, que disciplina a “atividade de revenda varejista de combustíveis automotivos”. Ela prevê que a revenda em recipientes respeite normas e parâmetros estabelecidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas e do Inmetro - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

 

Contudo, outra resolução da ANP incluiu um artigo segundo o qual a parte da Resolução que regulava a venda em recipientes só entraria em vigor “após publicação de regulamentação específica que trate de recipientes certificados para armazenamento de combustíveis automotivos e suas reutilizações pelo consumidor final”.

 

Segundo a assessoria de ANP, não há regulamentação específica sobre o tema.

 

RISCOS

 

Para a Agencia Brasil, o médico José Adorno, da Sociedade Brasileira de Queimaduras, o ideal é que motoristas não recorram a recipientes para abastecer pelos riscos de manejo de líquidos inflamáveis. Segundo ele, as pessoas não estão preparadas para lidar com este tipo de substância.

 

Mas, considerando o caráter excepcional das dificuldades de abastecimento em decorrência da paralisação dos caminhoneiros, ele recomenda todo cuidado.

 

“Não se deve armazenar em casa, usar de maneira lacrada, usar galões adequados e evitar qualquer coisa que possa gerar faísca para evitar os acidentes”, sugere.

 

Para a presidente a Associação de Prevenção e Intervenção em Queimaduras (Avance), Ana França, as pessoas devem estar cientes dos riscos para usar de maneira cuidadosa os recipientes com combustíveis.

 

“O que a gente chama a atenção é em relação ao risco de se manter um produto inflamável em casa. Tendo contato com fogo, derrama, respinga no chão e pega fogo no pouco que pingou; dá explosão grande”, destaca.