PUBLICIDADE

Brasil sente primeiros impactos da crise e PIB encolhe 1,5% entre janeiro e março (ÁUDIO)

| AGêNCIA 2/UMBERTO FERRETTI


Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Economia brasileira encolhe um e meio por cento, nos três primeiros meses do ano, na comparação com os três últimos de 2019.

 

O número foi divulgado pelo IBGE, que diz que o resultado negativo já é consequência da crise causada pelo coronavírus.

 

Mesmo com o fato de que a decretação da pandemia aconteceu apenas no começo de março; e com a adoção de medidas de isolamento social somente no fim do mês.

 

O que leva a crer que o tombo, de abril em diante, será bem maior.

 

O PIB um e meio por cento negativo foi o pior resultado desde o segundo trimestre, portanto abril, maio e junho, de 2015.

 

Quando o Brasil viveu outra grave crise econômica, que deve ser superada pela atual.

 

A soma de todas as riquezas gerada pelo País, neste começo de ano, foi de um trilhão e 800 bilhões de reais.

 

E o Brasil voltou oito anos no tempo, ao mesmo patamar de 2012.

 

Um dos principais responsáveis pela queda do PIB foi o setor de serviços, que inclui bares e restaurantes, por exemplo, responde por 74 por cento da economia do País e encolheu 1,6 por cento.

 

Também houve recuos importantes na indústria, na construção civil e nas exportações, por exemplo.

 

Destaque negativo, ainda, para o tombo de dois por cento do consumo das famílias, o maior desde 2001, quando a economia do País sofreu uma outra crise, por conta do racionamento de energia.



LEIA MAIS

Geral
Idoso sobrevive após despencar do 8º andar de prédio
Ele descansava em uma cadeira, quando caiu
Geral
Criança de 3 anos morre após se afogar em piscina
Tragédia ocorreu em Três Lagoas
Geral
Lives deste sábado: Wesley Safadão e Xand Avião, Katinguelê e muito mais
Confira as 15 transmissões ao vivo e seus horários
Geral
RECEITA: Lasanha de frango com queijo
Geral
Homem importuna a ex, descumpre medida sanitária e acaba preso
Ele estava proibido de se aproximar da vítima
Geral
Com 115 anos, cearense é reconhecida como a pessoa mais velha do Brasil
Francisca já não tem mais tanta mobilidade e depende de cadeira de rodas para se locomover
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE