Marçal apoia movimento de controle do tabaco


PUBLICIDADE

ASSESSORIA

O deputado federal Marçal Filho (PMDB), recebeu esta semana em seu gabinete, em Brasília-DF, representantes da entidade Aliança de Controle do Tabagismo, dentre eles Guilherme Eidt Almeida e a vice-diretora Mônica Andreis.

Na reunião o grupo pediu apoio do parlamentar para a defesa das Consultas Públicas da Anvisa sobre o Tabagismo. A medida prevê a proibição de uso de ingredientes acrescidos ao cigarro, tais como açúcar, chocolate e mentol, além de mudança nas regras de exposição do cigarro em locais públicos. As consultas estão amparadas em uma estratégia de redução do mercado de consumo.

Em 2010 o deputado Marçal Filho apresentou Indicação Sugerindo a inclusão do medicamento "Champix" na lista de produtos da Farmácia Popular. O remédio libera a Dopamina no organismo, dando a sensação de prazer eliminando a vontade de fumar. "Pesquisas já comprovam a eficácia desse remédio no combate a dependência do cigarro, no entanto é um medicamento que tem custo muito elevado, dificultando que o acesso ao tratamento, principalmente às pessoas de baixa renda", disse o parlamentar. Marçal ressalta que o problema, sobrecarrega os hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS), de todo o país. "O tabaco é responsável direto por quase 50 doenças diferentes que provocam prejuízo anual de mais de R$ 358 milhões ao SUS com internações e tratamentos de quimioterapia e radioterapia, mas essa realidade tende a mudar porque aos poucos a legislação está beneficiando o não fumante e aqueles que desejam abandonar o vício", salientou o deputado.

“A defesa das consultas públicas da Anvisa é legítima. O que ela quer é executar a opinião pública sobre o assunto. É inadmissível cercear o direito de opinião da população. Acima de tudo trata-se de uma questão de saúde pública”.




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE