Fumar durante a gravidez aumenta as chances de cardiopatias no bebê


PUBLICIDADE

MINHA VIDA

 

Mães que fumam no início da gravidez têm mais probabilidade de que seus bebês nasçam com defeitos cardíacos, segundo um estudo publicado na revista Pediatrics.

A pesquisa, patrocinada pelo Centers for Disease Control and Prevention (Centro de controle e prevenção de doenças norte-americano), mostra que as mulheres que fumaram em algum momento do mês anterior à gravidez até o fim do primeiro trimestre tiveram maior probabilidade de dar à luz crianças com determinadas cardiopatias congênitas, em comparação com as mulheres que não fumaram durante o mesmo período.

A correlação foi mais forte entre as mulheres que disseram ter fumado muito durante esse período.

A pesquisa também descobriu que um dos defeitos de nascimento mais comuns nos recém-nascidos com problemas no coração é a alteração do septo ventricular, um buraco entre os ventrículos direito e esquerdo do coração.

Os pesquisadores também descobriram defeitos conotruncais (circulação sanguínea insuficiente desde o ventrículo), obstrutivos do lado direito (bloqueio do fluxo sanguíneo no lado direito do coração) ou esquerdo.

Muitos bebês com cardiopatia congênita morrem no primeiro ano de vida e aqueles que sobrevivem muitas vezes requerem muitas cirurgias, prolongadas internações e tratamento ao longo da vida para tratar as deficiências associadas a este defeito de nascimento.

Segundo o cardiologista do Instituto do Coração (Incor) de São Paulo, Bruno Caramelli, casos de cardiopatia congênita são raros.

Entretanto, como hoje em dia se tem baixa mortalidade no período perinatal e há mais qualidade na saúde das gestações, quadros como este, quando ocorrem, pegam muitos pais desprevenidos.

"Cardiopatias congênitas são graves e acontecem associadas a outros problemas, como a Síndrome de Down, por exemplo", afirma. Por isso, segundo o médico, em qualquer situação de defeito congênito, a doença cardíaca também deve ser imediatamente investigada.

Mulheres que fumam também devem saber que, além do tabaco ser uma possível causa de defeito no coração, existem outras preocupações:

Fumantes têm mais dificuldade para engravidar;

Mulheres que fumam durante a gravidez têm mais probabilidade de ter um aborto espontâneo;

Fumar durante a gravidez causa problemas graves de saúde para a mãe e o bebê. Por exemplo, o tabagismo é uma causa de problemas na placenta, a fonte que fornece oxigênio e nutrientes para o bebê durante a gravidez;

Fumar durante a gravidez pode causar parto prematuro e baixo peso, tornando o bebê mais vulnerável a adoecer ou morrer;

Bebês nascidos de mães que fumaram durante a gravidez têm mais probabilidade de ter defeitos congênitos, como lábio leporino ou fenda palatina.




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE