PUBLICIDADE

Geralmente confundido com alergia, o angiodema hereditário provoca dor e pode afetar a respiração (ÁUDIO)

| RADIO 2


Reprodução: Internet

Difícil de ser diagnosticado, o angiodema hereditário é uma doença grave que pode ser confundida com alergia.

 

As crises duram em média cinco dias e são caracterizadas por inchaço e dor abdominal, entre outros sintomas.

 

A doença é provocada por uma deficiência genética, que pode passar dos pais para o filho, como explica a imunologista clínica Anete Grumach:

 

Anete:

(É uma doença que apresenta com um defeito numa substância que controla alguns sistemas do nosso organismo, que pode levar a saída do líquido do vaso e levar ao edema. Esse inchaço acomete principalmente face, mãos, pés, genitais. Junto com esse inchaço nós temos também um inchaço no intestino, estômago, isso faz com que o indivíduo tenha uma dor muito intensa no abdômen, ou seja, na barriga.)

 

A médica alerta para os casos em que o paciente pode apresentar dificuldade para respirar:

 

Anete:

(Um terço mais ou menos, dos pacientes contam que têm, ou desenvolvem, o que a gente chama de um edema de glote. Isso significa que eles têm uma chance de dificultar a respiração na garganta e causar asfixia. Assim, dessa forma, é uma doença que pode trazer bastante comprometimento da vida do paciente.)

 

A imunologista clínica Anete Grumach diz que o diagnóstico correto é o principal desafio do paciente com angiodema hereditário:

 

Anete:

(Há um estudo feito nos Estados Unidos que mostra que esses pacientes, em média, buscam quatro outros médicos, um pouco mais, quase cinco médicos, procurando pelo seu diagnóstico. Então, o primeiro desafio desses pacientes é ser diagnosticado de forma correta. Então, a história familiar ajuda, os sintomas que nós comentamos ajudam. Nós sabemos que aqui no Brasil, o tempo para que o diagnóstico seja feito é em média de 14 a 17 anos, para que o angiodema seja reconhecido.

 

A doença é diagnosticada com base na história clínica do paciente e por meio de exame laboratorial:

 

Anete: 

(Isso significa que ele precisa fazer exames de sangue, para que esse diagnóstico seja feito. Existem exames de sangue de triagem, então, por exemplo, a dosagem de C4 é um exame usado para a triagem e depois dosar exatamente a substância que apresenta um defeito e que pode levar à doença. Há 20, 25 por cento dos casos em que essa doença aparece em uma pessoa que não tem história na família, que teve uma mutação e, de repente, essa doença se manifestou por um defeito na substância que eu comentei, que é chamada de inibidor de C1 esterase.)

 

O angiodema hereditário não tem cura, mas com o tratamento o paciente poderá ter uma vida normal:

 

Anete:

(Os tratamentos evoluíram bastante, se nós usarmos medicação que já existe para prevenir as crises ou para tratar as crises já no começou, esse indivíduo pode trabalhar, se for uma criança pode frequentar a escola, e ter uma vida normal. E, sempre um especialista na área vai avaliar qual o melhor medicamento a ser utilizado.)

 

De acordo com a médica, um dos sinais para diferenciar o angiodema hereditário de uma alergia, é que o inchaço não vem acompanhado de placas vermelhas ou outras reações na pele. 



LEIA MAIS

Saúde
Uso de máscara pode gerar imunidade contra Covid-19, aponta estudo
Apesar do item não afastar completamente possibilidade de contágio, utilização diminui chances de casos graves, levando a quadros leves ou assintomáticos
Saúde
Homem morre de Covid-19 horas após procurar atendimento médico
Saúde
Fim do preconceito é fundamental para prevenção do suicídio
Setembro Amarelo alerta para doenças como ansiedade e depressão
Saúde
Vacinação contra o sarampo é prorrogada até 31 de outubro (ÁUDIO)
Os estados do Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina concentram o maior número de casos confirmados de sarampo, totalizando 7.091 (98,3%) casos
Saúde
Brasil registra 119.504 mortes por Covid-19 (ÁUDIO)
Saúde
SUS amplia idade para transplante de células-tronco para doenças sanguíneas em idosos de 75 anos
Ampliação vai de 60 para 75 anos de idade máxima na cirurgias.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE