PUBLICIDADE

‘Preto acha que é gente’: estudante vai indenizar colega, decide Justiça

Justiça determinou que estudante pague indenizar por ofensa racista, em Campo Grande.

| MIDIAMAX


Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A 3ª Câmara Cível determinou que um estudante deve indenizar o colega após ofender com racismo e chamá-lo de “preto que mal tem ensino médio”, em Campo Grande. O acusado enviou um áudio pelo WhatsApp discutindo com a vítima depois de um desentendimento.

 

Consta no processo que eles começaram a discussão durante a aula quando o estudante disse “só porque a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, preto já acha que é gente, só que assinou a lápis”.

 

O racismo continuou em um grupo de WhatsApp, onde o acusado enviou um áudio dizendo que tinha acompanhamento de saúde e que a vítima não teria direito de questioná-lo.

 

“Você é só um preto que não tem nem o ensino médio direito nas costas, eu tenho um laudo, eu tenho acompanhamento de um neurologista, que atesta que eu não posso interromper o sono e se um neurologista fala isso, quem vai falar ao contrário”, consta o áudio anexado ao processo.

 

Para se defender, o rapaz disse que não teve a intenção de difamar e fazer injúrias ao colega de classe, as ofensas teriam sido ditas durante a discussão, pois o homem teria inventado doenças para não trabalhar.

 

Porém, o relator, desembargador Dorival Renato Pavan, as ofensas direcionadas pelo aplicado de mensagem constatavam o crime.

 

“As ofensas foram graves e o Brasil não admite que seja dado tratamento discriminatório em razão de atos que resultem de preconceitos de raça, corou etnia. É crime inafiançável e imprescritível para se aquilatar a importância que o legislador brasileiro deu para punir quem pratique crime odioso desta espécie”, disse o desembargador ressaltando a Lei nº 7.716/89.



LEIA MAIS

Capital
Tucano é resgatado sem conseguir voar após brigar e cair em quintal de casa no MS
Ave apresentava lesão nas asas e foi levada para tratamento médico
Capital
Comércio ilegal vendia 130 litros de combustível em garrafas pet na fronteira
Comércio ilegal vendia 130 litros de combustível em garrafas pet na fronteira
Capital
Polícia Civil apreende cocaína e prensas usadas para remodelar tabletes
Capital
Após trocar nudes, homem é acusado de ‘pedofilia’ e passa a ser extorquido
Advogado disse que vítima enviou fotos para menina menor de idade
Capital
Sem dar notícias desde domingo, homem é encontrado morto na cama
Polícia Civil foi acionada e investiga circunstâncias do óbito
Capital
Idoso paga conta de R$6 mil após falso mecânico se oferecer para conserto de carro
Ele não conferiu o valor da suposta compra na máquina de cartão
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE