Após shows, gramado do Morenão vira barro


PUBLICIDADE

MIDIA MAX

Milhares de pessoas estiveram no estádio Pedro Pedrossian, o Morenão sábado à noite. Este público não estava nas arquibancadas como nos áureos tempos do futebol de Mato Grosso do Sul para assistirem partidas do Estadual e nem da Copa do Brasil.

O público estava sobre um tapume e uma camada de plástico do já castigado “dois tipos” de grama do Morenão para assistir ao show de uma dupla sertaneja. Esse problema no gramado já havia sido percebido na partida da seleção brasileira contra a Venezuela no dia 14 de outubro de 2009, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Nesta partida, transmitida para todo o Brasil e em outros países, o estádio ficou conhecido através de narradores e comentaristas por conta do mau estado do gramado e fraca iluminação, fato que fez o Morenão receber o apelido de “boate”

A reportagem foi ao estádio na manhã seguinte ao show, neste domingo (20) e observou que, por causa da chuva e do pisoteio dos espectadores, o gramado que já era criticado virou barro.

Porém nem tudo estava perdido, metade do gramado foi salvo, a área reservada ao público era a metade do campo, enquanto a outra metade ficou isolada por uma grade. Os dois maiores times de Mato Grosso do Sul, Operário e Comercial, concordam que a realização de eventos musicais no Morenão danifica a grama.

O presidente do Comercial, Carlos Alberto Assis disse que, se caso o colorado tenha que jogar no Morenão e as condições do gramado estiverem adversas, o time procurará outros locais para a realização de suas partidas. Já a assessoria do galo também concorda que devido aos shows, o estado da grama piora. Outra atração sertaneja está marcada para o próximo final de semana no Pedro Pedrossian.

De acordo com o administrador do Morenão, João Jair Sartorelo, no contrato de aluguel para eventos, há uma cláusula que estabelece que se o gramado do estádio for entregue danificado, o contratante deve arcar com os prejuízos.

Sartorelo também informou que somente o Comercial possui contrato com a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para realizações de partidas em seu mando. Cada partida custa R$ 1.100 para o colorado durante o dia e R$ 1.500 com os refletores ligados. Jair não soube informar o valor dos aluguéis para a realização de musicais. Segundo ele, a informação fica a cargo de outro setor administrativo da Universidade.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE