Chuvas podem retornar no final de agosto com grande volume em MS

Meteorologia explica que a previsão para a última semana de agosto e início de setembro pode ser de muita chuva


PUBLICIDADE

TOPMIDIA NEWS

Crédito: André de Abreu
PUBLICIDADE

A população sul-mato-grossense deve esperar mais um pouco para ver novamente as pancadas de chuvas, pelo menos é o que indica o Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), que prevê a possibilidade de precipitações de grande volume no fim de agosto.

 

Para os próximos dias, existe uma pequena chance de chuvas fracas acontecerem em todo o estado, mas o volume não deve passar dos 3 milímetros, muito pouco para quem enfrenta uma grande estiagem nos últimos meses.

 

Porém, a meteorologia explica que a previsão para a última semana de agosto e início de setembro pode ser de muita chuva e garantir um acumulado muito alto, capaz de findar a estiagem que já dura dois meses em Campo Grande, por exemplo.

 

Segundo o Cemtec, entre os dias 27 de agosto e 4 de setembro, a previsão é que aconteça chuvas acumuladas de forma significativa, ou seja, de grandes volumes. Para a região sul da região pantaneira e porção central da região leste é previsto uma chuva de 40 a 50 milímetros.

 

Os maiores números ficarão com a parte do centro-norte, que pode registrar de 50 até 80 milímetros de chuva e o norte das regiões pantaneiras, centro-norte e o leste que podem receber de 90 a 125 milímetros de chuva, capazes de amenizar o extremo calor e acalmar os incêndios florestais.

 

De acordo com dados meteorológicos do Cemtec-MS (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima), a última chuva sobre Campo Grande aconteceu no dia 11 de junho, onde foi registrado cerca de 16 milímetros de aguaceiro.

 

O relatório mensal ainda apontou que dois dias antes, houve a primeira chuva daquele mês e foi maior que a segunda chuva, tendo registrado 21 milímetros. Mas o mês, no entanto, ficou 24 dias sem chuva.

 

A chuva passou despercebida pelo mês de julho, onde o relatório da meteorologia aponto que os chuviscos e garoas foram responsáveis por apenas 1 milímetro de chuva e que o mês anterior ficou 28 dias sem chuva, mesmo com a chegada de diversas frente frias entre os dois últimos meses.




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE