Ajudando vítimas, Zeca Pagodinho diz que Xerém 'é uma tristeza só'


PUBLICIDADE

TERRA

O temporal que devastou a região central de Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, não livrou nem mesmo o mais ilustre morador do local. O sítio do cantor Zeca Pagodinho ficou parcialmente alagado, e, segundo o próprio cantor, vários animais morreram em função da chuva. O artista contou nunca ter visto uma chuva tão intensa na região.

"Choveu a madrugada inteira, e muito forte. Muito forte mesmo. Tem gente chorando na rua, muita destruição. É uma tristeza só", afirmou o cantor, bastante preocupado e apressado: "Tenho que ir lá, vou buscar ajuda, tenho que ajudar o pessoal". Zeca Pagodinho garantiu que sua família estava bem, mas informou que muitos animais de seu sítio desapareceram depois da chuva. "Morreu cabrito, morreu coelho. Ainda tenho que parar para ver ao certo o que aconteceu", contou.

O cantor disse ter ouvido falar que muitas pessoas estavam desaparecidas. Até o momento, apenas uma morte foi confirmada pela Defesa Civil do Rio. Zeca lamentou a tragédia e garantiu estar pronto para ajudar Xerém no que for preciso. "A situação está muito ruim. Acabou tudo lá perto de casa", comentou.

Histórico de deslizamentos

Em janeiro de 2011, a baixada fluminense enfrentou a maior tragédia climática da história do Brasil. Foram 918 mortos e mais de 215 desaparecidos após as fortes chuvas que atingiram sete municípios da região. As cidades mais atingidas foram Nova Friburgo, Petrópolis, Teresópolis, Bom Jardim, Areal, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto.

No ano anterior, em 2010, uma série de deslizamento deixou 30 mortos em Angra dos Reis nas primeiras horas do dia 1º de janeiro. O deslizamento de uma encosta atingiu uma pousada e sete casas na Ilha Grande, matando pelo menos 19 pessoas. No continente, 11 pessoas morreram em outro desmoronamento.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE