Polícia do Rio investiga se militância gay causou morte de líder comunitário


PUBLICIDADE

A polícia do Rio investiga denúncias de que o lídercomunitário e promotor cultural Luiz Antônio Moura, o Guinha - assassinado natarde de sábado (20), na Fazendinha, no Conjunto de Favelas do Alemão, na ZonaNorte - estava desagradando traficantes da região. Principalmente pelamilitância dele em favor da causa gay, com realização de uma parada gay nacomunidade em setembro.


O líder comunitário foi enterrado no domingo (21), noCemitério de Inhaúma, no Subúrbio.


Guinha também realizava um trabalho de apoio à Unidade dePolícia Pacificadora (UPP) da Fazendinha. O líder comunitário foi morto naporta do Casarão da Cultura, na localidade conhecida como Conjunto dasPedrinhas, por homens que atiraram de dentro de um carro e depois fugiram.


Leonardo Garcia dos Santos da Silva, que estava junto comGuinha, também foi atingido pelos tiros. Ele foi levado para o Hospital GetúlioVargas, na Penha, no Subúrbio, onde passou por uma cirurgia. Ele está em estadograve, porém, estável.


A polícia fez perícia no local do crime e está ouvindotestemunhas. Os agentes aguardam a liberação médica de Leonardo para que elepossa prestar depoimento.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE