Marçal critica abandono das obras do Museu dos Pioneiros


PUBLICIDADE

Deputado lembra que recursos foram liberados há quase doisanos e que poder público municipal não se preocupa com a memória dos pioneirosque construíram a história de Dourados


Com a proximidade do aniversário de 79 anos de emancipaçãode Dourados, o deputado federal Marçal Filho (PMDB) volta a cobrar do poderpúblico municipal a conclusão das obras do Museu da Colônia Agrícola Nacionalde Dourados (Cand), que está sendo construído entre a Vila Sao Pedro e oDistrito de Indápolis, exatamente onde fica o Cruzeiro que simboliza a criaçãoda colônia, no início da década de 1950. “Entristece-me constatar o totaldesprezo do poder público com a memória desses heróis anônimos, homens emulheres que fizeram nascer Dourados e desenvolver toda essa região queconhecemos hoje” lamenta Marçal Filho. O Parlamentar lembra que os colonos chegaramà região, atraídos pelo primeiro projeto de reforma agrária do Brasil, “Esseshomens e mulheres agricultores foram fundamentais para o desenvolvimento danossa cidade. Eles são a nossa origem e jamais negarei isso” completa.


O deputado lamenta a falta de atenção com esse importanteprojeto. “As obras do Museu da Colônia Agrícola, a exemplo dos demais projetostocados pelo poder público, arrastam-se numa lentidão impressionante, de formaque o sonho de entregar esse projeto na programação de aniversário de Dourados,dificilmente será realizado”, argumenta Marçal Filho, que foi o primeirodeputado a ter iniciativa de homenagear a Colônia Agrícola de Dourados, projetoque deu origem aos municípios de Douradina, Fátima do Sul, Vicentina, Jateí,Glória de Dourados, Deodápolis, Ivinhema e a Angélica.


Os recursos para construção do Museu da Colônia Agrícola, naordem de R$ 278.400,00 foram garantidos por Marçal Filho no Ministério doTurismo. “Tomei essa iniciativa em reconhecimento às famílias, inclusive osmeus pais, que vieram desbravar a região com uma foice, um machado nas costas,sem estradas, sem a mínima estrutura, sem absolutamente nada, apenas com a carae a coragem de vencer”,  ressalta MarçalFilho.


O Museu da Cand terá espaço para expor documentos e objetosque relembram esse fato histórico, que impulsionou o desenvolvimento regional.Foi projetado ainda espaço para comercialização de artesanatos e praça dealimentação com comidas típicas. Entre as atrações turísticas está o Cruzeiro,monumento considerado o marco da implantação da colônia, tombado pelo municípioem 1987 e que está sendo revitalizado. “Trata-se de um verdadeiro complexo quevai resguardar a história da nossa cidade e a memória das famílias quetrabalharam de sol a sol para que nossa região atingisse o nível dedesenvolvimento que tem hoje”, argumenta Marçal Filho.


Com a omissão do poder público municipal em concluir umaobra tão importante para a história de Dourados, o deputado busca outras formasem reconhecer e valorizar os pioneiros. Em 26 de agosto do ano passado, porexemplo, Marçal Filho discursou no Grande Expediente da Câmara dos Deputados ondedestacou a importância da Colônia Agrícola para o desenvolvimento não apenas deDourados, mas de toda região. “A memória das pessoas não pode ser tratada comindiferença ou desprezo, sobretudo quando se trata de famílias que ajudaram aescrever a história vitoriosa da nossa cidade”, finaliza Marçal Filho.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE