Surfistas de Maresias fazem operação de socorro e pedem ajuda a Medina


PUBLICIDADE

Com pranchas e remos, os surfistas de Maresias estão nasruas de São Sebastião nesta quarta-feira, 24, em operação para ajudar as famíliasdesalojadas pela chuva. A Associação de Surfe de Maresias pede a ajuda docampeão mundial Gabriel Medina, que retornaria para sua cidade natal nestamanhã. Uma programação festiva havia sido agendada para a chegada do ídolo. Masos estragos causados pela chuva impedem até mesmo o acesso à região,na costa sul do município do litoral norte de São Paulo. A Rodovia Rio-Santosestá interditada.


- Contamos com a ajuda do Medina, das autoridades, enfim, detodo mundo. Está um caos isso aqui. Estamos ilhados. Passamos a madrugada noresgate aos desalojados. Todos os surfistas estão unidos para o socorro aosmoradores. O que se vê aqui nas ruas são pranchas, caiaques, barcos, tudo issopara salvar o que for possível salvar. Moro aqui há dez anos e nunca vi nadaigual.


 É a pior enchente dos últimos anos em Maresias, sem dúvida - contou osurfista André Motta Waetge, que é membro da Associação de Surfe da região.


Em entrevista, Gabriel Medina, que vive em Maresias,declarou que quer ajudar a cidade de São Sebastião devido aos estragoscausados pela chuva. O campeão mundial de surfe desembarcou em Guarulhos nestaterça-feira, 23, e seguiria para o litoral norte nesta quarta.


A Associação de Surfe informa que os moradores da regiãoprecisam de colchão, comida e água. De acordo com a Defesa Civil, 60famílias estão desalojadas na cidade. Os bairros da costa sul, região onde viveGabriel Medina, foram os mais atingidos (Boiçucanga, Juquehy e Maresias,com casos de ruas alagadas, casas inundadas e falta de energia elétrica).


- Agora não adianta querer culpar o poder público, fulano ouciclano. É o aquecimento global. Nunca vi nada assim. É muito triste. Seria umdia de festa para Medina e de repente tudo isso aqui. O que nos conforta é vertoda essa comunidade se ajudando, com os surfistas nas ruas, moradores, todosestão muito unidos - acrescentou o surfista Waetge.


Segundo a prefeitura de São Sebastião, já foi solicitado umpedido de ajuda à Defesa Civil do Estado de São Paulo, pois o número de equipesna cidade é insuficiente para atender a todos os casos. O prefeito de SãoSebastião, Ernane Primazzi, enviou um comunicado oficial nesta manhãpedindo aos motoristas para que evitem o acesso à costa sul. Omunicípio está em estado de alerta. Em apenas cinco horas nesta terça,choveu cerca de 89 milímetros - quantidade esperada para um mês nomunicípio. 


Em Guarulhos, com o coração apertado, Gabriel Medina falousobre a situação da cidade natal.

- Não só Maresias, como São Sebastião, estão passando um momento difícil agora.Eu queria estar indo para casa comemorando, vendo todo mundo feliz. Festejandocom todos. Mas infelizmente não vai dar por causa da enchente que está tendolá. Têm pessoas desabrigadas e passando momentos difíceis. Estou indo pra casa,para Maresias, quarta de manhã. Vou estar lá para ajudar. O que precisar, o quepuder ajudar eu vou ajudar. E é isso. Deixar a comemoração para outro dia -disse o surfista, após desembarcar nesta terça e conceder entrevista.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE