Com Artuzi afastado, disputa por prefeitura envolve juiz, vereadora e vice-prefeito preso


PUBLICIDADE

MIDIA MAX

O afastamento do prefeito de Dourados, Ari Artuzi, sem partido, determinado ontem pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), criou um imbróglio jurídico no município: afinal, o juiz interino Eduardo Machado Rocha, permanece no cargo ou seu lugar será ocupado pela presidente da Câmara dos Vereadores, Délia Razuk, do PMDB. Outro no páreo: o vice-prefeito Carlinhos Cantor, do PR, que está preso.

Até as 16h30 minutos desta sexta-feira nem a presidente soube responder a questão.

Ela disse que ainda não havia recebido o comunicado oficial do TJ, que definiu o afastamento do prefeito, preso desde o dia 1º por participação num esquema de fraude em licitações públicas do município.

Délia Razuk sustentou que ia consultar o departamento jurídico da Câmara para depois emitir um comunicado a respeito.

Pela regra municipal, quem deveria assumir a prefeitura com o afastamento de Artuzi, seria o vice-prefeito, Carlinhos Cantor, do PR.

Ocorre que o vice está preso também por suspeita de corrupção. Resta, então, a presidente da Câmara.

O prefeito interino ainda não se manifestou quanto ao afastamento do prefeito. O juiz também disse não ter recebido a informação do TJ.
 


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE