Daiane dos Santos escapa de punição máxima e é suspensa por cinco meses


PUBLICIDADE

GLOBO ESPORTE

A ginasta Daiane dos Santos foi suspensa por cinco meses pela Federação Internacional de Ginástica (FIG), em decisão tomada pela comissão disciplinar após investigar o resultado do exame antidoping feito em 2 de julho do ano passado. Na ocasião, a campeã mundial do solo em 2003 foi pega pelo uso de furosemida, e ela poderia pegar até dois anos de suspensão. A punição passa a contar a partir do dia 27 de janeiro deste ano.

A atleta, que soube da decisão antes da divulgação para imprensa, ainda pode recorrer. No entanto, a Agência Mundial Antidoping (Wada) poderá levar o caso à Corte Arbirtal do Esporte (CAS), caso fique insatisfeita com a punição imposta à brasileira. Daiane dará uma coletiva de imprensa no Pinheiros com o intuito de comentar o parecer da entidade.

 

Entenda o caso

 

Em meados de dezembro, a ginasta fez questão de ir até Lausanne, na Suíça, para dar suas explicações sobre o caso. O painel formado pelo tunisiano Rached Gharbi, pela portuguesa Margarida Dias Ferreira e pelo suíço Paul Engelmanno considerou seu depoimento transparente e construtivo.

O que só fez a aumentar a esperança de Daiane com relação a um possível arquivamento ou à redução da punição. Desde o dia 30 de outubro, quando a FIG revelou o resultado do exame antidoping feito fora de competição, no mês de julho, a ginasta acreditava que pudesse convencer a entidade de que não teve a intenção de fazer uso do diurético para ter ganho de desempenho, já que estava se recuperando de uma cirurgia no joelho e fora da seleção brasileira desde outubro de 2008.

Em entrevista coletiva concedida em novembro, ela confessou ter tomado a furosemida para auxiliar num tratamento estético feito com uma biomédica, que visava reduzir gordura localizada. Daiane também admitiu ter sido desatenta, mas que não esperava estar elegível para os testes já que estava voltando a treinar aos poucos e não podia competir.

Através de seu porta-voz, Philippe Silacci, a FIG explicou que a brasileira fazia parte da lista de atletas sujeitos a controle antidoping e que, por isso, deveria estar disponível e preparada para exames. Antes da declaração da entidade, o Pinheiros, clube que Daiane defende, chegou a alegar que cabia à CBG ter notificado a FIG de que a ginasta estava em recuperação clínica, o que poderia ter evitado a abertura do processo de investigação.

Nos últimos meses, apoiada pela família e companheiros de seleção, Daiane se dedicou ao tratamento de fisioterapia e retomava, aos poucos, o treinamento, disposta a seguir com seu plano de encerrar a carreira somente após a disputa dos Jogos Olímpicos de Londres-2012.

 

 


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE