PUBLICIDADE

Federação de futebol de MS espera renovar patrocínio de empresa investigada

| CAMPOGRANDENEWS


PUBLICIDADE

A FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul), considera em dia o cumprimento da programação das competições oficiais organizadas pela entidade na temporada de 2017 com o patrocínio da empresa Company Consultoria Empresarial, alvo de investigação da Polícia Federal na Operação Ouro de Ofir, deflagrada na última terça-feira (21), por lavagem de dinheiro.

 

“Sobre o contrato de 2017 está tudo ok”, declarou o presidente da entidade máxima do futebol sul-mato-grossense, Francisco Cezário de Oliveira, em entrevista ao Campo Grande News nesta quarta-feira (22), via whatsapp. Apesar da insistência com inúmeras chamadas no seu celular, o dirigente da FFMS não atendeu as ligações e preferiu responder as perguntas pelo aplicativo multiplataforma de mensagens.

 

Diante da situação da empresa perante a Justiça, inclusive com a prisão de Celso Éder Gonzaga de Araújo, que aparece na operação da Polícia Federal como dono da empresa, Cezário não pareceu muito seguro sobre a renovação do contrato de patrocínio para a temporada de 2018, que será aberta no dia 17 de janeiro com a disputa do Campeonato Estadual da Série A.

 

“Digo que 15 de dezembro estava agendado para tratar de 2018”, afirmou Cezário. Pelo que informou, a data havia sido agendada para discutir com a empresa as bases de renovação do acordo para a próxima temporada.

 

Nos clubes 

A investida da Company como patrocinadora do futebol em Mato Grosso do Sul se resume ao Operário e Federação. Segundo uma fonte da FFMS, o Clube União/ABC, que logo depois de a operação da Polícia Federal ser deflagrada foi apontado como um dos patrocinados, teve em seu elenco jogadores contratados e bancados pela empresa na disputa do Campeonato Estadual deste ano.

 

Isso não caracteriza patrocínio ao clube. O empresário tem os jogadores contratados e banca a participação deles em um determinado time para que se mantenham em atividade e assim possam aparecer para o mercado. É uma situação normal até nos grandes clubes”, explicou.

 

A Company iniciou pelo Operário de Campo Grande o seu projeto de patrocínio no futebol sul-mato-grossense, e na sequência passou a patrocinar também a FFMS, o que no mínimo seria antiético, considerando que a Federação é a entidade promotora das competições, e qualquer lance duvidoso em campo poderia gerar especulações de favorecimento.

 

Nosso compromisso do Operário com a Company terminou em abril, e posso assegurar que a nossa relação era de patrocinador e patrocinado, nada além disso. O Operário é vítima dessa empresa”, declarou o presidente operariano.

 

Petrallás lembrou que a Company atrasou os repasses mensais na fase decisiva do Campeonato Estadual e o clube não teve como manter em dia a folha salarial dos jogadores e comissão técnica.“Dependíamos do repasse e como o dinheiro não entrou atrasamos os salários e o reflexo disso veio em campo com a nossa desclassificação na semifinal”, declarou o dirigente do Operário.

Jogadores do Operário com o patrocínio da empresa investigada pela PF na camisa durante o Campeonato Estadual de 2017 (Foto: Arquivo)Jogadores do Operário com o patrocínio da empresa investigada pela PF na camisa durante o Campeonato Estadual de 2017 (Foto: Arquivo)  

Conforme apurou o Campo Grande News, o contrato de patrocínio do Operário com a Company previa repasse de R$ 65 mil mensais, e a empresa deixou de depositar o dinheiro a partir de janeiro. No total, a dívida atualizada da empresa para com o clube está na casa de R$ 260.213,25, referente ao contrato de patrocínio firmado em outubro de 2016 para disputa do Campeonato Estadual de 2017.

 

Passou a nos pagar em pequenas parcelas e na reta final do campeonato a situação financeira do clube ficou bastante complicada. Tive que vender bens pessoais para saldar dívidas”, disse Estevão Petrallás.

 

Histórico – A Polícia Federal e a Receita Federal deflagraram a Operação Ouro de Ofir para desarticular o que apontaram como organização criminosa que vinha atuando na forma de uma instituição financeira clandestina em Campo Grande, sede do esquema, Terenos, Goiânia (GO) e em Brasília (DF).

 

Segundo a PF, o esquema era baseado na existência de uma suposta mina de ouro com promessas de lucros exorbitantes na sua exploração e comercialização mediante pagamento de taxas de adesão.

 

Ouro de Ofir – Personagem bíblico, Ofir é o nome de uma cidade mencionada no Antigo Testamento como famosa pela sua grande produção de ouro e prata. O ouro de Ofir era fino, puro e raro. “Farei que o homem seja mais precioso do que o ouro puro, e mais raro do que o ouro fino de Ofir" - (Isaías 13.12).



LEIA MAIS

Esportes
Palmeiras está perto de anunciar meia Felipe Pires, do Hoffenheim
Esportes
Pratto salva o ano e cumpre promessa pelo River de marcar contra o Boca, ex-time do coração
Contratação mais cara da história do campeão da Libertadores, atacante quase perdeu posição no time há dois meses
Esportes
São Paulo busca no mercado auxiliar técnico de Jardine para 2019
Esportes
Classificação do returno: Atlético-MG e Corinthians entram no Z-4; Palmeiras dispara no topo
Derrotas para Grêmio e Botafogo deixam Galo e Timão na zona do rebaixamento do segundo turno. Palmeiras vence vice-líder Santos e abre oito pontos de vantagem
Esportes
Galiotte planeja discutir renovações após Brasileiro e Libertadores
Esportes
Brasil passa por cima do Quênia e avança para segunda fase no Mundial de vôlei
Com 3 sets a 0, seleção garante vaga na próxima fase da competição
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE