Ivinhema - MS, quarta-feira, 21 de novembro de 2018

20º min
28º min



Publicado em: 30/01/2018 às 14h58

Faro e Record são condenados por 'tortura' após quadro de transformação


midiamax

Foto: Divulgação

A Rede Record e o apresentador Rodrigo Faro foram condenados pela Justiça por extrair 12 dentes em apenas dois dias de um homem que participava do quadro "Arruma meu marido", veiculado no Programa do Faro em 2011. Foi estabelecida uma indenização de R$ 137,87 mil por danos morais, estéticos e materiais.

 

O juiz Yale Sabo Mendes, da Sétima Vara Cível do Tribunal de Justiça do Mato Grosso, considerou que houve "tortura" física e emocional contra a vítima, chamada Walmor Ferreira, que perdeu parte da gengiva e da estrutura óssea da região bucal.

 

No processo, Walmor afirma que foi inscrito pela esposa no quadro, que tem por objetivo fazer uma "repaginação" na aparência dos participantes, no início de 2011. Ao ser selecionado e viajar de Cuiabá para São Paulo, em dezembro do mesmo ano, ele passou por procedimentos estéticos como tratamento dermatológico, limpeza de pele, aplicação de botox, corte de cabelo, barbas e visitou uma clínica odontológica parceira da emissora. O vídeo do programa está disponível no site oficial da Record.

 

 

"Ao invés de realizar o tratamento dentário, [a clínica] optou por extrair 12 dentes no período de 2 dias, ocasionando-lhe tanta dor que nem imensas doses de anestésicos foram capazes de amenizá-la. Afirma que a dor era tão intensa que solicitou ao gerente do hotel em que estava hospedado para que, de hora em hora, entrasse em seu quarto para verificar se estava tudo bem", diz o texto da sentença.

 

Walmor conta que foi coagido a participar das gravações do programa ao tentar desistir por estar "se sentido enganado e humilhado". No palco, tinha instruções da produção para não fazer movimentos bruscos, "uma vez que a prótese móvel (dentadura) poderia se soltar da gengiva e poria fim à farsa a que fora submetido". Ele passou quatro meses se alimentando apenas de produtos líquidos e contou com a ajuda de parentes para arcar com os custos da confecção de novas próteses.

 

Ainda segundo consta na ação, o único auxílio que recebeu da emissora foi uma prótese dentária móvel enviada pelos correios - que não pôde ser utilizada por não fixar na boca "em razão da gengiva ter sido praticamente mutilada pela dentista do programa". Ele também buscou ajuda psicológica para lidar com a nova aparência após se tornar motivo de "chacota", pois, conforme alega, foi comparado por Rodrigo Faro a animais do pântano.

 

A Record chegou a recorrer, alegando que os argumentos eram "fantasiosos". "Antes de sua participação no programa ele já não possuía a maioria dos dentes e que foi instalada uma prótese provisória enquanto seria confeccionada outra de material mais refinado, a qual foi enviada pelo correio, que é uma forma habitual de entrega do material", disse a defesa da emissora.

 

O juiz, entretanto, exigiu na sentença, publicada na última quarta-feira (24), o pagamento de R$ 137,87 mil em indenização, soma que totaliza despesas da reabilitação bucal (R$ 57,4 mil), dano moral (R$ 50 mil), dano estético (R$ 30 mil) e dano material (R$ 470).