PUBLICIDADE

Mulher mata colega a facadas em discussão por chip de celular

| TOPMIDIANEWS


Uma auxiliar de serviços gerais assassinou uma colega a facadas nesta terça-feira (30) durante uma discussão por um chip de celular dentro da escola onde as duas trabalhavam, em Massapê, interior do Ceará. A vítima, identificada como Beta Rodrigues, chegou a ser levada a um hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos.

 

Conforme o titular da Delegacia Municipal de Massapê, delegado Márcio Luiz de Melo, a suspeita já havia se desentendido com a vítima e passou a andar armada. Durante uma outra discussão, a mulher esfaqueou a companheira de trabalho.

 

"Elas já não estavam se entendendo bem. Mas a mulher que matou deu um depoimento desencontrado, dizendo que estava sendo perseguida. Por isso, começou a andar com a faca". A vítima foi atingida por, pelo menos, quatro facadas.

 

'Desequilíbrio momentâneo'

 

O delegado disse que o crime por ter sido causado por um "desequilíbrio momentâneo". "Ela [suspeita] achava que estava sendo perseguida, quando estava com essa amiga. A autoria já é confirmada, mas agora vamos confirmar a motivação."

 

A auxiliar de serviços gerais foi levada para a Delegacia de Sobral, onde foi autuada por homicídio. Um inquérito policial foi aberto na Delegacia de Massapê para investigar o caso.

 

   

 



LEIA MAIS

Polícial
PM prende ex-cunhado suspeito de matar homem a machadadas em MS
Suspeito negou o crime
Polícial
Funcionários de olaria são presos com rifles
Polícial
Tiroteio termina com prisão de policiais e apreensão de avião com cocaína na fronteira
Sete policiais paraguaios foram presos
Polícial
Presos do PCC torturam agentes penitenciários durante rebelião em presídio
Um dos reféns teve o rosto cortado e recebeu diversas perfurações de faca artesanal. Os outros três servidores também foram agredidos
Polícial
Seminua, mulher de 35 anos é encontrada morta em casa de aluguel
Conforme levantamento da perícia, vítima estava morta há 14 dias
Polícial
Subtenente que ateou fogo em quartel terá que fazer tratamento
Ele foi considerado semi-imputável durante julgamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE