PUBLICIDADE

Policial de MS preso com drogas estava afastado por dispensa médica

| TOPMIDIANEWS


O policial militar Abraão Messias Ribeiro foi flagrado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) transportando 104,5 kg de crack, na BR-101 em Itapema (SC). O entorpecente estava escondido dentro do assoalho do banco traseiro de um veículo Renault Duster, com placas de Curitiba.

 

De acordo com a assessoria de comunicação da PM, Messias  é lotado no 4º Batalhão de Polícia Militar sediado em Ponta Porã e estaria afastado da corporação por dispensa médica, já que foi considerado incapaz definitivamente para o serviço de policial. “ O processo de reforma do PM (afastamento definitivo por motivo de saúde) está em andamento”.

 

Sobre a prisão do policial, o comando destaca que vai abrir procedimento administrativo para apurar os fatos da prisão e medidas administrativas devem ser tomadas, respeitando as legislações vigentes na corporação.

O caso

 

Ao abordar o policial, a PRF desconfiou do nervosismo do condutor e acionou a equipe de cães farejadores que estava no local.  Os animais acusaram a presença de droga dentro do carro.

 

O militar confirmou que buscou a droga em Ponta Porã e tinha intenção de levar a carga para o litoral Sul de Santa Catarina. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Itapema, sendo autuado em flagrante por tráfico.

 

O veículo e o crack foram apreendidos.

 



LEIA MAIS

Polícial
PM prende ex-cunhado suspeito de matar homem a machadadas em MS
Suspeito negou o crime
Polícial
Funcionários de olaria são presos com rifles
Polícial
Tiroteio termina com prisão de policiais e apreensão de avião com cocaína na fronteira
Sete policiais paraguaios foram presos
Polícial
Presos do PCC torturam agentes penitenciários durante rebelião em presídio
Um dos reféns teve o rosto cortado e recebeu diversas perfurações de faca artesanal. Os outros três servidores também foram agredidos
Polícial
Seminua, mulher de 35 anos é encontrada morta em casa de aluguel
Conforme levantamento da perícia, vítima estava morta há 14 dias
Polícial
Subtenente que ateou fogo em quartel terá que fazer tratamento
Ele foi considerado semi-imputável durante julgamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE