Ivinhema - MS, segunda-feira, 24 de setembro de 2018

20º min
28º min



Publicado em: 09/07/2018 às 14h29

MPF notifica Ivinhema e mais 4 cidades de MS para adotarem medidas de vacinação infantil

Ivinhema registrou a taxa mais baixa de cobertura de vacinação


Campo Grande News

Foto: Arquivo/Campo Grande News

Cidades pelo Brasil estão com índice abaixo de 50%, considerado baixo

O índice de vacinação está em queda em todo o Brasil e preocupa o Ministério da Saúde. Doenças como a poliomielite e o sarampo voltam a ser reintroduzidas. Agora, o MPF (Ministério Público Federal) notificou 312 cidades brasileiras para que adotem medidas necessárias para garantir a vacinação das crianças. Em Mato Grosso do Sul cinco municípios foram notificados: Ivinhema, Japorã, Amambai, Ladário e Miranda.

 

Ao MPF, o Ministério da Saúde informou que há 312 municípios nos quais o índice de cobertura vacinal para a poliomielite estaria abaixo dos 50%, quando a recomendação é que seja de 95%. A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, afirma, no ofício, que seja ampliado o horário de funcionamento das salas de vacina, para assegurar a pais e responsáveis a possibilidade de atendimento fora do horário comercial.

 

O MPF também solicita que seja rigorosamente observado o Calendário Nacional de Vacinação, ainda que se tenha que aplicar mais de uma dose por vez – exceto se houver recomendação médica em contrário. Ivinhema registrou a taxa mais baixa de cobertura de vacinação: 3,19. Japorã está com 11,41; Amambai tem índice de 40,55; Ladário tem 42,04 e Miranda está com índice de 45,83.

 

As prefeituras também deverão, segundo o ofício, que assegurar a implantação do SI-PNI (Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização), e o treinamento adequado dos servidores responsáveis pela utilização do referido sistema. O objetivo é que as informaçõe identificadas da cobertura vacinal cheguem regularmente ao Ministério da Saúde.

 

Os agentes comunitários de saúde também deverão fazer buscas ativas das crianças que não estejam com a caderneta de vacinação em dia. As escolas também devem ser acionados para verificarem, no ato da matrícula, a caderneta de vacina e informarem a família e as autoridades sanitárias.