PUBLICIDADE

Braço financeiro de ''Cabeça Branca'' é preso na fronteira com MS

| JORNAL DA NOVA


Apontado como o braço financeiro do narcotraficante Luiz Carlos da Rocha, o “Cabeça Branca”, Eduardo Fernando de Oliveira Moleirinho foi preso em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã, na tarde desta quarta-feira (25).

 

Ele era procurado por lavagem de dinheiro e acabou detido por agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) e do Ministério Público paraguaio.

 

A ação que resultou no flagrante ocorreu quando Eduardo transitava pelo centro de Pedro Juan Caballero em uma caminhonete Toyota/Fortuner preta.

 

Mandados de busca foram cumpridos na estância Lusipar e em dois escritórios em Pedro Juan Caballero. Centenas de cabeças de gado foram confiscadas.

 

Segundo a Senad, Eduardo Moleirinho, que é natural do Paraná e mantém residência em Maringá, é o principal operador de “Cabeça Branca” para lavagem do dinheiro do tráfico, “branqueado” através da compra de bois.

 

Ainda informou que durante as investigações foram descobertas remessas de dinheiro de contas brasileiras para o Paraguai, todas vinculadas a dois filhos de Cabeça Branca.

 

Moleirinho é acusado de ser importante membro da estrutura econômica criada para legalizar o dinheiro oriundo do tráfico internacional de drogas através da sociedade anônima comandada pelo brasileiro preso hoje na fronteira.

 



LEIA MAIS

Polícial
PM prende ex-cunhado suspeito de matar homem a machadadas em MS
Suspeito negou o crime
Polícial
Funcionários de olaria são presos com rifles
Polícial
Tiroteio termina com prisão de policiais e apreensão de avião com cocaína na fronteira
Sete policiais paraguaios foram presos
Polícial
Presos do PCC torturam agentes penitenciários durante rebelião em presídio
Um dos reféns teve o rosto cortado e recebeu diversas perfurações de faca artesanal. Os outros três servidores também foram agredidos
Polícial
Seminua, mulher de 35 anos é encontrada morta em casa de aluguel
Conforme levantamento da perícia, vítima estava morta há 14 dias
Polícial
Subtenente que ateou fogo em quartel terá que fazer tratamento
Ele foi considerado semi-imputável durante julgamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE