Ivinhema - MS, domingo, 23 de setembro de 2018

20º min
28º min



Publicado em: 17/08/2018 às 09h14

Felipão tem controle não só do time do Palmeiras, mas também da arquibancada

Campeão pelo clube, técnico pode tomar decisões sem se preocupar com o que pensa a torcida, o que não é algo ruim; contra o Bahia, recuou o time e segurou Lucas Lima no banco até o fim


GE

Foto: Reprodução/SporTV

Poucas pessoas são tão respeitadas na história e no presente do Palmeiras como Luiz Felipe Scolari. Mesmo tendo sido deprimente o final de sua passagem anterior (o time foi rebaixado pouco depois da saída dele), Felipão tem comprovado em seu retorno que pode ter sucesso de novo. Na quinta-feira, ao eliminar o Bahia, com uma vitória por 1 a 0 (gol de Dudu), o técnico ficou a quatro jogos de um possível título da Copa do Brasil.

 

Sua contratação foi justificada internamente como solução para controlar um vestiário que exigia pulso firme, algo que a diretoria não via em Roger Machado. Os bastidores, os vídeos divulgados pelo clube e as declarações dos jogadores vêm mostrando isso. Ele rapidamente impôs respeito com um estilo "paizão", de falar grosso e dar carinho.

 

Na Academia de Futebol, só Felipão – talvez Luxemburgo – mesmo para apostar em Hyoran em um jogo de Libertadores, com Lucas Lima e Gustavo Scarpa na reserva. Só Felipão para bancar o quase escorraçado Deyverson ou fazer o caríssimo Lucas Lima se levantar do banco e se sentar novamente, contrariando a torcida, que um dia o treinador enfrentou e apelidou de "turma do amendoim".

 

oucas pessoas são tão respeitadas na história e no presente do Palmeiras como Luiz Felipe Scolari. Mesmo tendo sido deprimente o final de sua passagem anterior (o time foi rebaixado pouco depois da saída dele), Felipão tem comprovado em seu retorno que pode ter sucesso de novo. Na quinta-feira, ao eliminar o Bahia, com uma vitória por 1 a 0 (gol de Dudu), o técnico ficou a quatro jogos de um possível título da Copa do Brasil.

 

Sua contratação foi justificada internamente como solução para controlar um vestiário que exigia pulso firme, algo que a diretoria não via em Roger Machado. Os bastidores, os vídeos divulgados pelo clube e as declarações dos jogadores vêm mostrando isso. Ele rapidamente impôs respeito com um estilo "paizão", de falar grosso e dar carinho.

 

Na Academia de Futebol, só Felipão – talvez Luxemburgo – mesmo para apostar em Hyoran em um jogo de Libertadores, com Lucas Lima e Gustavo Scarpa na reserva. Só Felipão para bancar o quase escorraçado Deyverson ou fazer o caríssimo Lucas Lima se levantar do banco e se sentar novamente, contrariando a torcida, que um dia o treinador enfrentou e apelidou de "turma do amendoim".