PUBLICIDADE

Pratto salva o ano e cumpre promessa pelo River de marcar contra o Boca, ex-time do coração

Contratação mais cara da história do campeão da Libertadores, atacante quase perdeu posição no time há dois meses


PUBLICIDADE

Que maneira espetacular encontrou Lucas Pratto para terminar um ano tão conturbado. Só em 9 de dezembro o centroavante do River Plate justificou o carimbo que ganhou em janeiro, o de jogador mais caro da história do clube, que pagou US$ 11,5 milhões ao São Paulo por seu contrato.

 

Faltavam apenas 23 minutos para o River perder a final do Libertadores para o Boca Juniors, que vencia por 1 a 0 no Santiago Bernabéu, quando Pratto cravou o empate de pé direito. O golaço levou o jogo para a prorrogação, quando Quintero e Pity Martinez selaram a vitória por 3 a 1. Aos 30 anos, o ex-jogador de Atlético-MG e São Paulo resumiu assim a conquista:

 

"Foi a maior satisfação da minha carreira"

Pratto trocou o São Paulo pelo River para se sentir mais perto de uma vaga na Copa do Mundo. Sem grandes atuações, foi ignorado pelo técnico da seleção, Jorge Sampaoli, a quem criticou por não lhe dar mais oportunidades. No dia 8 de outubro, o jornal "Olé" perguntava numa manchete: "Pratto perdeu seu lugar no time?". E informava que, pela primeira vez no ano, o atacante havia ficado no banco de reservas e sem entrar ao longo de uma partida do Campeonato Argentino.

 

A resposta, o próprio Pratto deu no mês seguinte, quando o River se classificou para a final da Libertadores. O dono da camisa 27 fez um dos gols no empate por 2 a 2 no jogo de ida da decisão, disputada na Bombonera, estádio do Boca. Neste domingo, no Santiago Bernabéu, Pratto fez o gol que tirou o River do sufoco e abriu caminho para a virada consumada na prorrogação.

 

– Na medida que o tempo passe, vamos ter mais claro o que conseguimos. Ganhar a Libertadores, contra o maior rival da história do clube... E depois de tudo o que aconteceu, da suspensão do jogo, de terem tirado a partida da nossa casa – disse Pratto, sem citar o nome do maior rival, justamente o time para o qual ele torcia quando criança.

 

Lucas Pratto também marcou no jogo de ida da final, no 2 a 2 na Bombonera — Foto: Reuters

Veja no vídeo abaixo, a partir do minuto 2:50, o atacante dizendo que torcia para o Boca quando criança.

 

São-Paulinos - Bate-papo com o atacante Lucas Pratto

Premiere Clubes

-

Pratto admite que torcia para o Boca

Pratto chegou a fazer duas partidas pelos profissionais do Boca em 2009, mas foi dispensado e nunca esqueceu do tratamento que recebeu no clube. O atacante nunca escondeu que, depois disso, ele se sentia mais identificado com o Vélez Sarsfield, onde jogou por três temporadas antes de rumar para o Galo.

 

Em março deste ano, quando o River Plate enfrentou o Boca Juniors na final da Supercopa Argentina, Pratto havia prometido aos dirigentes que seria decisivo naquela partida. E avisou que iria, sim, comemorar um gol contra o Boca. O River ganhou por 2 a 0, com gols de Scocco e Pity Martinez. Faltou o gol de Pratto, faltava cumprir a promessa. Depois da noite de domingo em Madri, não falta mais.

 



LEIA MAIS

Esportes
Palmeiras está perto de anunciar meia Felipe Pires, do Hoffenheim
Esportes
São Paulo busca no mercado auxiliar técnico de Jardine para 2019
Esportes
Classificação do returno: Atlético-MG e Corinthians entram no Z-4; Palmeiras dispara no topo
Derrotas para Grêmio e Botafogo deixam Galo e Timão na zona do rebaixamento do segundo turno. Palmeiras vence vice-líder Santos e abre oito pontos de vantagem
Esportes
Galiotte planeja discutir renovações após Brasileiro e Libertadores
Esportes
Brasil passa por cima do Quênia e avança para segunda fase no Mundial de vôlei
Com 3 sets a 0, seleção garante vaga na próxima fase da competição
Esportes
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE