Ivinhema - MS, terça-feira, 21 de maio de 2019

17º min
29º min



Publicado em: 08/05/2019 às 14h30

Goveno anuncia que Aquário do Pantanal será concluído em 2020

Cronograma foi apresentado hoje, mas não foram divulgados valores para a finalização da obra


CORREIODOESTADO

Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Obras começaram em 2011 no Aquário

Obras do Aquário do Pantanal devem ser retomadas ainda neste ano e a previsão é que seja concluída até o fim de 2020, segundo anunciou hoje o vice-governador e titular da secretaria de infraestrutura, Murilo Zauith (DEM), na manhã de hoje. O cronograma de retomada das obras também foi apresentado e, conforme antecipado, as licitações serão fatiadas em cinco processos.

 

Conforme Zauith, será criado um grupo de trabalho para fiscalizar a execução da obra. "Vamos gastar o mínimo possível para fazer o melhor, que é concluir mais uma obra inacabada. Não se trata de uma obra de governo, mas de Estado", disse o vice-governador.

 

O processo licitatório será aberto em cinco meses, de forma segmentada, com previsão de cinco frentes de trabalho. O Cronograma da obra teve anuência do Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas e Tribunal de Justiça. 

 

O contrato com o Grupo Cataratas, para gestão do empreendimento. Desde janeiro, equipe da Seinfra trabalham no local, redimensionando o projeto e testando equipamentos já instalados, como tanques de peixes e maquinário que vai movimentar cinco mil litros de água diariamente dentro do sistema. O acrílico instalado há quatro anos também foi testado e gerente no Brasil da empresa norte-americana que fabricou a estrutura, Vladimir Crespi, disse que está em "perfeito estado de conservação".

 

Orçada inicialmente em R$ 84.749.754,23, a obra inacabada já consumiu mais de R$ 240 milhões do cofre do Governo do Estado. No ano passado, em um novo levantamento, foi apontado que seriam necessários R$ 39 milhões para recuperar o que foi danificado com o tempo e concluir a construção.  

 

Aquário do Pantanal ocupa uma área de quase 22 mil m², no Parque das Nações Indígenas, e contará, além dos tanques de peixes, com museu interativo, biblioteca, auditório, sala de exposição e laboratórios de pesquisa para estudantes, cientistas e pesquisadores.