Operação prende 23 suspeitos de falsificar agrotóxicos


PUBLICIDADE

A Polícia Civil e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial deRepressão ao Crime Organizado) prenderam ao menos 23 pessoas até o final damanhã desta sexta-feira (5) em Ribeirão Preto (SP) e em Franca (SP). A ação fazparte de uma operação intitulada Lavoura Limpa, que busca integrantes de umaquadrilha responsável por falsificar e comercializar defensivos agrícolas naregião. Cerca de 200 policiais civis participam da operação, que acontece emRibeirão, Franca e Sertãozinho (SP). Veículos supostamente utilizados noscrimes, rótulos e embalagens também foram apreendidos. As informações são do “G1/SP”.


De acordo com o delegado Leopoldo Novaes, que chefia asinvestigações, a polícia e o Ministério Público devem cumprir até a manhã destesábado (6) cerca de 100 ordens judiciais, entre mandados de prisão e de busca eapreensão. Em quatro meses de investigação, a Polícia Civil constatou que ogrupo preparava e vendia os produtos falsificados. \"As pessoas que estãosendo presas gerenciam uma organização criminosa destinada à produção,preparação e revenda dos agrotóxicos no Norte de São Paulo e no Sul de MinasGerais (SP). Dali, os produtos eram distribuídos para outros estados\",afirma.


Em Franca, os mandados foram cumpridos principalmente emcondomínios de luxo, local onde os supostos chefes da quadrilha vivem. Entre amadrugada a o final da manhã desta sexta, 20 pessoas foram presas na cidade,dentre elas o possível chefe do grupo. Assim que a polícia arrombou o portão dacasa do suspeito, o homem fugiu, mas foi encontrado duas horas depois em umpoço de quase dez metros de profundidade.


O dono de uma garagem de veículos, suspeito de integrar aquadrilha, também foi preso. No estabelecimento, a polícia apreendeu todos oscarros que estavam à venda.


No total, mais de 50 veículos, entre caminhões, carrosimportados, caminhonetes, lanchas e jet skis foram apreendidos em Franca. Foipreciso interditar dois quarteirões de uma rua para posicionar os veículos. Emum galpão no Jardim Tropical, que funcionava como laboratório para a produçãodos agrotóxicos, a polícia encontrou milhares de galões vazios e rótulosfalsificados.


Já em Ribeirão Preto, três suspeitos de integrar a quadrilhaforam presos. Um deles, supostamente responsável pela falsificação dos rótulosdos produtos, foi encontrado em um prédio no bairro Santa Cruz. O pai dosuspeito, também apontado como integrante do grupo, foi detido em uma gráficade propriedade da família, no bairro Vila Carvalho. No local, a polícia aindaapreendeu caixas com os rótulos falsificados.


No bairro Tanquinho, um funcionário de uma empresa deembalagens foi detido. No local, os policiais encontraram galões vazios queseriam utilizados para envasar os defensivos agrícolas. Todos os objetosapreendidos foram levados para a DIG (Delegacia de Investigações Gerais).


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE