Justiça solta segundo vereador preso por corrupção em Naviraí


PUBLICIDADE

A Justiça acatou o pedido de liberdade provisória dovereador Adriano José Silvério, preso no dia 8 de outubro durante a “OperaçãoAtenas”, da Polícia Federal, que desvendou um esquema de corrupção na Câmara deVereadores de Naviraí. Entre as 10 pessoas presas, o vereador Silvério é osegundo a ganhar a liberdade.


Na semana passada, o parlamentar Carlos Alberto Sanches, oCarlão, conseguiu ser solto após decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça).Cinco vereadores foram presos durante a ação da PF desencadeada em outubro.


Segundo o site “Campo Grande News”, além de Adriano,enfrentam o mesmo processo de cassação os vereadores Cícero dos Santos, oCicinho do PT, que continua preso em Naviraí, Marcus Douglas Miranda, que estáem prisão domiciliar e Carlão.


De acordo com os autos, o juiz Paulo Roberto Cavasa deAlmeida, da vara criminal de Naviraí, decidiu, na sexta (19), que “o requerentereúne condições pessoais favoráveis, tais como residência fixa e ausência deantecedentes criminais”, o que justifica sua liberdade provisória.

Na decisão, o juiz argumenta também que o estado de saúde dovereador “requer cuidados, conforme documentação médica acostada no pedido oraanalisado”. Silvério ficou internado por dois dias no hospital da Cassems,devido a uma crise de vesícula.


Antes de ser solto, o vereador prestou depoimento, na tardedesta sexta-feira, à Comissão Processante instalada pela Câmara do municípiopara apurar a quebra de decoro por parte dos quatro parlamentares.


Outros
Elias Alves (Pros), Gean Carlos Volpato (PMDB) e Vanderlei Chagas (PR), jáafastados da Câmara, enfrentam outra Comissão Processante, porque também foramtransformados em réus na ação penal que investiga crimes de corrupção passiva,lavagem de dinheiro, organização criminosa, fraude em licitação e peculato. Oprocesso deles, no entanto, começou depois e só deve ser concluído em janeiro.


Há duas semanas os vereadores de Naviraí vêm enfrentandopressão da população para acelerar a cassação dos acusados de envolvimento noesquema de corrupção desmontado pela Polícia Federal.


Moradores que foram à sessão do Legislativo na semanapassada chegaram a pedir a cassação inclusive dos cinco denunciados peloMinistério Público, mas que permanecem nos cargos porque a Justiça não aceitoua denúncia.


Entre eles estão o presidente, Moacir Andrade, e os membrosdas duas comissões processantes, exceto Márcio Scarlassara, que era suplente. Avereadora Solange Melo renunciou no dia 7 de novembro e também continua presa.


Nos siga no




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE