Ivinhema - MS, quinta-feira, 25 de abril de 2019

22º min
32º min



Publicado em: 19/12/2018 às 10h02

NOVA ANDRADINA: PM evita feminicídio e prende suspeito

Vítima será inclusa no Programa Mulher Segura


JORNAL DA NOVA

Foto: POLÍCIA MILITAR/DIVULGAÇÃO

A Polícia Militar de Nova Andradina evitou a consumação de um feminicídio e prendeu um homem de 27 anos, na noite desta terça-feira (18), após o suspeito agredir esposa e filha e atentar contra a integridade física da mulher com uma foice.

 

A equipe policial foi acionada via central 190, para averiguação de violência doméstica na avenida Alcides Menezes de Faria, onde segundo denunciantes, um homem após agredir a esposa, pegou uma foice para mata-la.

 

Rapidamente uma equipe foi para o endereço denunciado, e em contato com a vítima de 18 anos, os policiais ouviram o relato de que o homem chegou em casa muito exaltado e começou a gritar com palavras ofensivas, logo em seguida, tentou enforcar a jovem e com isso, a filha, uma criança de 2 anos, que estava no colo caiu no chão. 

 

Ainda segundo relato da vítima, o marido pegou uma foice e disse que iria mata-la, quando então ela saiu correndo pela avenida, entrou numa casa que estava com o portão aberto e disse que estava com muito medo do acusado, já que ele é muito violento. A mulher apresentava várias lesões pelo corpo, além de estar abalada psicologicamente. A criança com a queda, também sofreu lesão na cabeça. 

 

A equipe policial localizou o agressor e quando perguntado sobre o ocorrido, ele começou a omitir informações sobre os fatos, bem como não quis fornecer seus dados pessoais.

 

Ao receber voz de prisão, o agressor passou a resistir, desferindo chutes e socos contra os policiais, sendo necessário o uso de técnicas de imobilização para contê-lo.

 

Na Delegacia o homem sofreu uma crise epilética sendo acionada a equipe do Corpo de Bombeiros, que conduziu o suspeito até o Hospital Regional, onde após atendimento foi liberado, sendo entregue ao agente de plantão da Polícia Civil.

 

Em nota, o 8º Batalhão de Polícia Militar esclarece que, após o recebimento da denúncia, a ação rápida e enérgica da Polícia Militar evitou que um mal maior fosse praticado pelo autor, tendo em vista a letalidade que a arma com que ele usaria contra a vítima. Os policiais demonstraram tirocínio e técnica na condução da ocorrência, desde o recebimento da informação na central 190 até a condução do preso para atendimento médico.

 

Um crime é considerado feminicídio quando for cometido contra uma vítima por ela ser do sexo feminino. Segundo a lei, para ser considerado feminicídio, as situações devem envolver violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

 

A vítima será incluída no Programa Mulher Segura e será acompanhada pela equipe técnica, além do atendimento de toda a rede de enfrentamento da violência contra a mulher.